O Quinze - Rachel de Queiroz

“Uma vontade obscura e incerta de ascender, de voar! Um desejo de se introduzir a grandes passos na imensa treva da noite, e a atravessar, e a romper, esquecido das lutas e trabalhos, e penetrar num vasto campo luminoso onde tudo fosse beleza, e harmonia, e sossego. Desejo de se integrar numa natureza diferente daquela que o cercava, de crescer, de subir, de bracejar num emaranhado de ramos, de se sentir envolto em grandes flores macias, de derramar seiva, a seiva viva e forte que o incandescia e tonteava. Mas o cansaço o amolentava.”

“Onde ficava afinal o mérito superior do Paulo, que o colocava tão alto no conceito da família, que punha sob o bigode branco do major um sorriso desvanecido, quando dizia, numa conversa:
– Meu filho, o doutor...
Seria por suportar com mais paciência a maçada das aulas, onde um velho pedante disserta, por se enfrascar com inexplicável interesse em leituras difíceis, que só de recordá-las sentia calafrios de preguiça e de tédio? E o seu esforço constante, sua energia, sua saúde, sua alma que nunca suportou a servidão a uma disciplina ou a um professor, que não admitia que o mandassem agir e que o mandassem pensar... não valeriam muito mais que um interesse estéril de juristas por abstrações, ou o quase culto do servilismo de aluno pelo mestre; depois de formado, o mestre fora substituído pelo juiz, de quem suportava as anedotas e a carranca, de quem comia os jantares, a quem namorava a filha, visando apenas promoção, prestígio... Então ser superior é renunciar ao seu feitio e à sua vontade e, recortando todo o excesso de personalidade, amoldar-se à forma comum dos outros?”

O Manual do Guerreiro da Luz - Paulo Coelho

“Mas ele não dá importância aos comentários, porque os amigos não conhecem suas táticas de combate. Um guerreiro da luz sabe o que quer. E não precisa ficar explicando.”

“Uma guerra prolongada termina também destruindo o vitorioso.”

“‘Já passei por isso’, ele reclama em seu coração. ‘Realmente, você já passou’, responde o coração. ‘Mas nunca ultrapassou’. O guerreiro então compreende que as experiências repetidas têm uma única finalidade: ensinar-lhe o que não quer aprender.”

“Um guerreiro não passa seus dias tentando representar o papel que os outros escolheram para ele.”

“Sofrem por coisas inúteis, têm atitudes mesquinhas e às vezes se julgam incapazes de crescer. Frequentemente acreditam-se indignos de qualquer bênção ou milagre. Nem sempre têm certeza do que estão fazendo aqui. Muitas vezes passam noites em claro, achando que suas vidas não têm sentido. Por isso são guerreiros da luz. Porque erram. Porque se perguntam. Porque procuram uma razão – e com certeza vão encontrá-la.”

“O guerreiro da luz não tem medo de parecer louco. (...) O guerreiro parece louco, mas isto é apenas um disfarce.”

“Para ter fé em seu próprio caminho, não precisa provar que o caminho do outro está errado.”

“Se ficar esperando o momento ideal, nunca sairá do lugar, é preciso um pouco de loucura para dar o próximo passo.”

“Dentro de cada um de nós existe um anjo e um demônio, e suas vozes são muito parecidas.”

“Nisto reside a força da água: ela jamais pode ser quebrada por um martelo, ou ferida por uma faca. A mais poderosa espada do mundo é incapaz de deixar uma cicatriz em sua superfície.”

“Olha para os lados e identifica seus amigos. Olha para trás e identifica seus adversários. (...) ...apenas afasta os inimigos de sua vida, sem lutar com eles além do tempo necessário.”

“’O que eu faria se tivesse que lutar comigo mesmo?’ Desta maneira, descobre seus pontos fracos.”

“Às vezes o guerreiro da luz tem a impressão de viver duas vidas ao mesmo tempo. Em uma delas, é obrigado a fazer tudo o que não quer, lutar por ideias nas quais não acredita. Mas existe uma outra vida, e ele a descobre em seus sonhos, leituras, encontros com gente que pensa como ele. O guerreiro vai permitindo que suas duas vidas se aproximem. ‘Há uma ponte que liga o que eu faço com o que eu gostaria de fazer’, pensa. Aos poucos, os seus sonhos vão tomando conta da sua rotina, até que ele percebe que está pronto para o que sempre quis. Então, basta um pouco de ousadia – e as duas vidas se transformam numa só.”

“Existem momentos de agir e momentos de aceitar.”

“Sim, esta vida é uma loucura. Mas a grande sabedoria do guerreiro da luz consiste em escolher bem sua loucura.”

“Celebra hoje sua vitória de ontem, para ter mais forças na batalha de amanhã.”

“Ele usa o bom senso para julgar o resultado de seus atos – e não as intenções que teve ao executá-lo.”

“O guerreiro da luz também possui suas lembranças, mas consegue separar o que é útil do que é desnecessário: ele joga fora o seu lixo emocional.”

“Há momentos em que, ao dizer sim para os outros, ele pode estar dizendo não para si mesmo.”

“Quando o guerreiro da luz começa a plantar o seu jardim, repara que o vizinho está ali, espiando. Ele gosta de dar palpites sobre como semear as ações, adubar os pensamentos, regar as conquistas. Se der atenção ao que ele está dizendo, terminará fazendo um trabalho que não é o seu; o jardim de que agora cuida será ideia do vizinho.”

Fragmento trazido pelo vento

“Não é que alguém tenha de negar ou abandonar de vez a efêmera felicidade material. Mas, ao experimentar outros níveis de consciência, você se torna muito menos dependente do externo para ser feliz. Fama, sucesso, beleza e riqueza material diminuem de importância de forma absolutamente natural.” (Revista Vida Simples - Outubro, 2009)

Fragmento trazido pelo vento

“Há uma diferença fundamental entre ser simples e ser simplório. Os simples resolvem a complexidade, os simplórios a evitam. Eu conheço pessoas sofisticadas, intelectualizadas, que levam uma vida plena, realizam trabalhos difíceis, apreciam leituras profundas e têm hábitos peculiares. E continuam sendo pessoas descomplicadas. Conheço também pessoas simplórias, com pouca profundidade, que realizam trabalhos repetitivos, que têm poucas ambições, que apreciam rotinas e evitam os sustos de uma vida aventurosa. E mesmo assim são pessoas complicadas, para elas tudo é muito difícil, em geral impossível.” (Revista Vida Simples - Março 2010)

“Pessoas assim, que fazem a opção da simplicidade, têm alguns traços comuns. Identifico cinco deles: 1. São desapegadas: não acumulam coisas, fazem uso racional de suas posses, doam o que não vão usar mais. 2. São assertivas: vão direto ao ponto com naturalidade, mesmo que seja para dizer não, sem medo de decepcionar, não "enrolam" nem sofisticam o vocabulário desnecessariamente. 3. Enxergam beleza em tudo: em uma flor no campo e em um quadro de Renoir; em uma modinha de viola e em uma sinfonia de Mahler; em um pastel de feira e na alta gastronomia. 4. Têm bom humor: são capazes de rir de si mesmas e, mesmo diante das dificuldades, fazem comentários engraçados, reduzindo os problemas à dimensão do trivial. 5. São honestas: consideram a verdade acima de tudo, pois ela é sempre simples e, ainda que possa ser dura, é a maneira mais segura de se relacionar com o mundo.” (Revista Vida Simples - Março 2010)

“Ser simples, definitivamente, não é abrir mão de nada. É possível apreciar o conforto, a sofisticação intelectual, as artes, o prazer da culinária, a aventura das viagens e continuar sendo simples.” (Revista Vida Simples - Março 2010)

Fragmento trazido pelo vento

“Nos países onde a cultura judaico-cristã tem influência, o prazer está intimamente associado à culpa. Ter prazer significa, basicamente, pecar. E estar em estado de pecado significa que se está dissonante de Deus.” (Revista Vida Simples - Junho, 2010)

Brida - Paulo Coelho

“Quando alguém encontra seu caminho, não pode ter medo. Precisa ter coragem suficiente para dar passos errados.”

“Estudamos o que vemos, e nem sempre que vemos é o que existe.”

“– Mas é possível que os átomos do corpo de alguém que já morreu estejam no meu corpo e no corpo de uma outra pessoa?
Ele ficou quieto por algum tempo.
– Sim, é possível.”

“Aprender uma coisa significa entrar em contato com um mundo do qual não se tem a menor idéia. É preciso ser humilde para aprender.”

“Sabia que ninguém mais iria ouvi-la com o mesmo respeito, porque as pessoas tinham medo de saber como a vida era mágica; estavam acostumadas com suas casas, seus empregos, suas expectativas, e se alguém aparecesse dizendo que era possível viajar no tempo – era possível ver castelos no Universo, tarots que contavam histórias, homens que caminhavam pela noite escura – as pessoas iriam se sentir roubadas pela vida, porque elas não tinham aquilo, a vida delas era o dia sempre igual, a noite sempre igual, os fins de semana iguais.”

“Não se preocupe em explicar emoções.”

“No final iriam rir dos medos que tiveram no início.”

“Conhecimento sem transformação não é sabedoria.”

“Nunca deixe de ter dúvidas. Quando as dúvidas param de existir, é porque você parou em sua caminhada. (...) Mas tome cuidado com uma coisa:jamais deixe que as dúvidas paralisem suas ações. Tome sempre todas as decisões eu precisar tomar, mesmo sem ter segurança ou certeza de que está decidindo corretamente. Ninguém erra quando está agindo...”

“Agora, enquanto estamos aqui, comendo, noventa e nove por cento das pessoas desse planeta lidam, à sua maneira, com esta pergunta. Para quê estamos aqui? Muitas pensam que descobriram as respostas em suas religiões, ou no materialismo. Outras se desesperam, e gastam sua vida e sua fortuna tentando entender esse significado. Alguma poucas deixaram que esta pergunta passasse em branco, e vivem apenas o momento, sem se preocupar com os resultados e as consequências."

“Se ela era capaz de fazer uma pergunta, é porque, em outro universo, havia uma resposta.”