Ilusões - Richard Bach

“E lhes disse: Dentro de nós está o poder de nosso consentimento para a saúde e a doença, a riqueza e a pobreza, a liberdade e a escravidão. Somos nós que controlamos isso, e não os outros.”

“‘Seria uma honra ser enforcado, uma glória ser pregado a uma árvore e queimado, se fosse isso que Deus pedisse’, disseram eles. ‘E o que fariam vocês’, perguntou o Mestre à multidão, ‘se Deus lhes falasse diretamente, em pessoa, e dissesse: ordeno que sejas feliz no mundo enquanto viveres. O que fariam então?’ E a multidão calou-se e nem uma voz ou som foi ouvido sobre os morros e pelos vales. E o Mestre disse: ‘No caminho de nossa felicidade encontraremos o conhecimento para o qual escolhemos esta vida. É assim que aprendi hoje e prefiro deixá-los agora para seguirem o seu caminho, como desejarem.”

“Eu queria dizer: ‘Se vocês tanto desejam a liberdade e a alegria, não podem ver que não se encontram em nenhum lugar fora de vocês? Diga que as tem e assim será. Ajam como se fossem suas, e serão!’ Richard, o que há de tão difícil nisso? Mas a maioria nem ouviu.”

 “– Escute! – disse ele, atravessando o abismo entre nós. – Este mundo? E o que há nele? Ilusões, Richard. Tudo ilusões!”

“Mas já estou farto das multidões, mesmo quando estou felizes... se ficam com medo, ou querem crucificar alguém, ou adorá-lo. Sinto muito, mas é demais!”

“O laço que une a sua família verdadeira não é de sangue, mas de respeito e alegria pela vida um do outro. Raramente os membros de uma família se criam sob o mesmo teto.”

“...obriguei-me a pensar que nunca deveria permitir que um livro substituísse o meu próprio raciocínio.”

“– Não é assim que funciona. Se você aprende o que é este mundo e como funciona, automaticamente começa a fazer milagres, ou o que chamarão de milagres. Mas, naturalmente, nada é milagroso. Se aprender o que o mágico sabe, aquilo deixa de ser mágica.
Afastou os olhos do céu.
– Você é como todo mundo. Já conhece isso. Apenas ainda não tem consciência de que já conhece.”